Localidades

Dossiê negro do Horto

Localidades:
Suportes da Memória:
A luta do Horto é a luta do povo!

Por Glorya Ramos*

Há um desvio na análise da questão da remoção das famílias do Horto.

Onde fica o Horto? O povo, em geral do estado do Rio de Janeiro e do Brasil, não localiza bem o Horto, que fica agregado ao Jardim Botânico, um dos acervos naturais mais importantes e valiosos da cidade do Rio de Janeiro. Feita a localização, cabe então enegrecer problemática em torno da questão da remoção de famílias que ali residem e não querem e não precisam sair dali, tentando responder à questão: como podem negros e negras descendentes de escravos imaginarem compartilhar um dos espaços mais valiosos do Brasil? Quem permitirá isso?

Quando eu falo que o Horto não é bem localizado pelo povo brasileiro, incluo até a ilustre e prezada companheira Dilma que, não conhecendo a situação das pessoas envolvidas na questão do Horto, corre o risco de contrariar todos os avanços, princípios e propósitos do combate ao racismo e promoção da igualdade racial numa penada.

Apesar de não poder ser caracterizada como comunidade tradicional remanescente de quilombos por questões técnicas e formais, podemos dizer que a população que habita o Horto, e que neste momento corre o risco de remoção para Benfica, é negra e guarda um patrimônio remanescente secular que pertenceu a negros e negras escravos (as) trabalhadores (as) e que está no Horto, ainda hoje, e pode ser qualificado como um sítio que guarda presença de um tempo pretérito que devemos salvaguardar, ter na memória “para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça” – a escravidão. O Horto era o espaço de grandes engenhos, logo passagem de negros e negras que participaram do enriquecimento daquela localidade e das pessoas brancas, herdeiras ou posseiras que hoje lá habitam.

O valor agregado àquele notável patrimônio natural advém de um equipamento sociocultural importante que valoriza o corredor cultural da Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro. Trata-se de um corredor com um grande acervo natural no seu entorno, praias, lagoa, morro, acesso à floresta, jardins, parques, um equipamento cultural invejável: teatros, cinemas, livrarias e shoppings, os mais importantes da cidade estão localizados neste corredor, além de uma concentração de escolas, cursos e universidades. É desse local, sob falsas alegações, que querem remover famílias que pertencem a um segmento da população historicamente excluído: a população negra. Além de falsas e infundadas alegações, uma forte dose de preconceito racial que determina também historicamente um “não lugar”, a invisibilidade, a exclusão da população negra de espaços valorizados e de poder tal como a universidade. O que ocorre no Horto é exatamente o que a classe média/alta racista queria que permanecesse nas universidades, um quadro populacional quase exclusivamente branco com raríssimas exceções.

Cabe agora verificar que estão pedindo que 521 famílias que não querem ser removidas sendo que 78% destas famílias são de pretos e pardos sejam deslocadas para o bairro de Benfica, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro, potencialmente desvalorizada, pois não tem, nem de perto parte do valoroso acervo sociocultural e educacional da Zona Sul, tampouco seu acervo natural riquíssimo.

Tira-se a parte pela preta do Horto, livra-se da pobreza e da negritude e põe o preto pobre na periferia, no lugar que a elite branca reservou apoiada pela perniciosa e racista rede de televisão.

Assim revelamos o racismo institucional que está por trás desta questão. Esta população que habita o Horto não quer ser removida, não corre riscos, não compromete a natureza, muito pelo contrário, ajuda na sua preservação, mas tem um problema traz a diferença racial para o espaço nobre da Zona Sul. A elite se revela racista na medida em que quer promover um apartheid, caminhando na contramão da história. A hipocrisia, juntamente com o mito da democracia racial, cai por terra e a sociedade brasileira expõe sua chaga – o racismo.

Vamos combatê-lo veementemente. Somos contra a discriminação racial e todas as formas de intolerância. Queremos justiça social e igualdade de direitos. Queremos poder viver livres. Sem discriminação, podendo usufruir de todos os bens sociais produzidos pela humanidade e, no caso do Horto, produzidos por homens e mulheres negros (as) e brancos (as), então porque só os brancos podem morar no Horto?

*Professora do Colégio Pedro II. Membro do Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial (INSPIR) e do Coletivo de Combate ao Racismo do PT/RJ

Compartilhem este texto.

http://sisejufe.org.br/wprs/2014/03/o-dossie-negro-do-horto/
Matérias em: Reflexão história/ historiografia

Expansão da Rede Globo Ameaça 521 famílias no Horto

String index out of range: 345 @ MATERIA-3208-pt_br - 32:33

Apresentação Museu do Horto revela histórias

PDF/ALERJ_2013.pdf

Museu do Horto participa da 12a Semana de Museus do IBRAM

Nesta 12ª Semana de Museus - Coleções que Criam Conexões - o Museu do Horto realiza uma caminhada que faz parte de um projeto em conjunto entre o Museu Sankofa (Rocinha) e o Museu do Horto (Horto Florestal). Nascido …

Apresentação histórica sobre o Horto na Faculdade de Direito da UERJ, 2013

Apresentação da historiadora e coordenadora técnica do Museu do Horto, Laura Olivieri, sobre a história da comunidade na Faculdade de Direito da UERJ, em outubro de 2013.http://www.youtube.com/watch?v=MkpijQNb7s4 

Dossiê histórico sobre a população tradicional do Horto

No afã de contribuir com o processo de regularização fundiária das famílias tradicionais do Horto, no qual ainda acredito ser a melhor solução para o patrimônio da União em conflito de interesses com o IPJBRJ e sua associação de amigos, publico agora…

Horto Florestal do Rio de Janeiro: um lugar de memória da cidade na luta pela afirmação de sua identidade e preservação do seu patrimônio histórico

Laura Olivieri Carneiro de Souza*O Horto Florestal do Rio de Janeiro existe formalmente no mapa da cidade desde 1875, quando foi oficializado como parte integrante da Freguesia da Gávea. Antes, porém, a região já possuía uma longa e movimentada história, …

Das trincheiras do conflito fundiário à história da cidade: o caso do Horto

Laura Olivieri[1] No dia 4 de…

Lançamento do livro Diário de uma invasora (o outro lado da história)

Depois do enorme sucesso do lançamento oficial do livro Diário de uma invasora (o outro lado da história) de uma jovem moradora do Horto Florestal do Rio de Janeiro no dia 1/3, a Amahor promove na comunidade um novo evento para aproximar …

Tese de doutorado sobre o Horto

Em 13 de abril de 2012, Laura Olivieri Carneiro de Souza, historiadora e coordenadora técnica do Museu do Horto, defendeu sua tese de doutorado em Serviço Social (PUC-Rio) sobre a memória social dos moradores do Horto Florestal do Rio de Janeiro. O trabalho …

Museu do Horto participa da II Jornada Republicana

O Museu do Horto participou da II Jornada Republicana, evento promovido pelo Museu da República, no último dia 25 de setembro. O encontro privilegiou o compartilhamento das experiências de museus comunitários do Brasil e foi …

Era casa, era jardim! A legitimidade dos moradores históricos do Horto

A luta dos Moradores históricos do Horto é mais do que centenária. Eles nunca foram, não são e nunca …

Depoimento de Ana Lucia Camphora

No final do ano de 1986, o Horto Florestal abrigou um programa pioneiro orientado para a valorização das florestas urbanas da cidade do Rio de Janeiro. A Fábrica de Ar enfatizava o papel ativo das florestas na qualidade de vida e na segurança da população, …

V Primavera de Museus do IBRAM

Na quinta edição da Primavera de Museus do IBRAM, que acontece de 19 a 25 de setembro de 2011, o Museu do Horto participará oficialmente com algumas atividades: 1) Visita ao sítio histórico do Museu do Horto, com guias locais e coordenadores do museu…

PUC-Rio promove debate sobre o conflito fundiário entre Horto e IPJB

No dia 09 de junho de 2011, no âmbito da XVII Semana do Meio Ambiente da PUC-Rio, o Museu do Horto teve voz através da pesquisa de doutorado de uma de suas coordenadoras, a historiadora Laura Olivieri, na mesa intitulada "jardim Botânico …

Chimamanda Adichie: Os perigos da história única

Chimamanda Adichie, escritora nigeriana, discute os perigos da "História única", aquela que não comporta diferentes versões mas se prende aos ditames dos discursos hegemônicos.Assista o vídeo em que ela …